<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6455201\x26blogName\x3dsomatos+\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://somatos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://somatos.blogspot.com/\x26vt\x3d-4926936997051577480', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

fevereiro 08, 2007

o fisco, essa divindade azteca

o governo aconselha-nos a nós, cidadãos cumpridores da lei e tementes ao fisco, a pedirmos sempre factura no acto de pagamento/compra., de modo a que nós - sim, nós que não recebemos 4 dígitos gorditos mensais - sejamos instrumento dissuador da intenção de fuga ao fisco por parte de pessoas colectivas, nomeadamente empresas e serviços.

estive hoje num pingo doce na baixa de lisboa onde fui comprar uma garrafa de litro e 1/2 de água engarrafada, uma operação que, atendendo à fila de 2 pessoa com 5 artigos entre as duas, deveria ter demorado no máximo 3 minutos.
no entanto, ao solicitar a factura - antes do registo em caixa, conforme solicitado em impressões dignamente espalhadas sobre os terminais/caixeiros, fui encarada pela funcionária com algum desdém. até posso imaginar a pergunta - pertinente - que se lhe formou no cérebro: "olha-m'esta parva! uma factura por causa de 0,50 €!".

a operação acabou por se prolongar durante uns bons 7 minutos, tempo para o qual contribuiu ou a dislexia ou mesmo uma escolaridade encurtada pelas vicissitudes da vida daquela funcionária, cuja hesitação na palavra estrada ("com s ou com x?") me perturbou seriamente.

entregue o papelucho, a fila era agora de 5 pessoas furibundas.

1º: se me pagassem qualquer coisa digna de mencionar em conversa com ex-colegas de universidade, eu até poderia considerar essa hipótese e encarar a "caça à facturinha" como um desporto;

2º: teria de usar disfarce, talvez bigode competitivo e gravata condizente.

3º: o fisco tem de arranjar uns funcionários mais aplicados, quiçá mesmo fanáticos. como os adeptos do sporting. esses marmanjos que trabalhem!