<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6455201\x26blogName\x3dsomatos+\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://somatos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://somatos.blogspot.com/\x26vt\x3d-4926936997051577480', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

janeiro 30, 2007

hoje quero falar de anime: the melancholy of haruhi suzumiya

partamos das seguintes premissas:

i. existe um deus e esse deus é uma estudante aborrecida com o mundo tal como ele se lhe apresenta;
ii. deus quer conhecer extraterrestres, viajantes temporais e pessoas com capacidades extra-sensoriais e divertir-se com eles;
iii. um extraterrestre, um viajante temporal e alguém com capacidades extra-sensoriais tornam-se amigos da entidade divina;
iv. deus não sabe absolutamente nada acerca da verdadeira identidade dos seus amigos;
v. os seus amigos estão determinados a que ela permaneça na ignorância acerca dos seus poderes divinos;

este é o ponto de partida da anime suzumiya haruhi no yuutsu.
temos, portanto, uma entidade divina cuja omnipotência é ferida pelo facto de não haver omnisciência. é um deus que procura, a todo o custo, fugir às convencionalidades sociais e mesmo humanas, mas acaba por se aceitar numa determinada conjunção de factores e condicionalismos, e, ao fazê-lo - e sem disso se dar conta - conquista a sincera amizade de seres não-convencionais, e, na verdade, não pertencentes ao seu mundo, exactamente o que aquele deus sempre almejara.
caso ela desperte para a realidade da sua natureza, os seus amigos - e o mundo - deixarão de existir.
é precisamente o dilema humano que torna a série tão fascinante, numa contínua busca pelo equilíbrio: conseguir o que desejo da vida está directamente dependente e é consequente da minha capacidade de renúncia ao desejo e resignação à acção e ao sentimento opostos?, quanto do que é a minha vida depende da minha ignorância em relação a essa essência?, e quando somos iluminados em relação à essência da nossa vida, quanto dela perdemos, se é que perdemos algo?

a reflexão é bela como o roçar das ervas de abril.

http://www.haruhi.tv/

Etiquetas:

Blogger Tiago Franco disse...

Venho a este blog de propósito para pedir um parecer (do tipo crítica) sobre o animé Death Note. Isso arranja-se? (o parecer)

30/1/07 23:17  
Blogger cassandra disse...

arranja-se, arranja-se, mas não preferes esperar que a série acabe? parece-me precipitação querer ler qualquer coisa quando tudo ainda está por acontecer :)

31/1/07 21:09  
Blogger GBU Aveiro disse...

Vi o primeiro episódio ainda a pensar isso. Mas caí no erro de ver o segundo, e acabei por ver tudo até ao décimo terceiro em dois dias. Oops

PS: o Samurai Champloo é brutal (vi-o guiado por uma lista de melhores animés aqui publicada).

2/2/07 20:46  
Blogger cassandra disse...

sabes que o realizador do kemonozume - que tb já comentei aqui - foi o "art animator" do ep. 9 do samurai champloo? é claro que samurai champloo continua a ser a série preferida :))

2/2/07 20:51  
Blogger cassandra disse...

então, gbu aveiro e tiago, comento o death note? é isso? :)

2/2/07 20:53  
Blogger Tiago Franco disse...

Mui oops! O Tiago e o GBU Aveiro são a mesma pessoa (falando em termos práticos). Desculpe, Cassandra...

Quando cheguei aqui e vi o erro, até me deu um suor.

Mas sim, Cassandra, comente o Death Note. É que me entreguei por completo ao vício, mas não me enteguei por completo ao animé em questão, pelo menos por enquanto.

Sim, o Samurai Champloo é o máior.

4/2/07 20:11  

diz ...