<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6455201\x26blogName\x3dsomatos+\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://somatos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://somatos.blogspot.com/\x26vt\x3d-4926936997051577480', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

janeiro 24, 2007

parir ou não parir em portugal

no metro de hoje, na rubrica "cartas do leitor" podia ler-se a opinião mais inteligente proferida, até ao momento, por um cidadão português do sexo masculino, um pai, de seu nome Rui Fontes:

"no próximo referendo vou votar sim, porque, no caso de uma filha minha, por qualquer razão (...) se vir na necessidade de interromper a sua gravidez, quero que o faça num país livre, onde as mulheres não são obrigadas a parir e que o faça com acompanhamento médico e com todas as condições de segurança."

por que razão não se pronunciam os homens com determinação? querem ser pais? então falem com as companheiras sobre essa vontade. se não querem ser pais, falem com elas também.
a racionalidade é um característica humana, basta cultivá-la de vez em quando e os resultados práticos serão visíveis ao fim de pouco tempo.

o mesmo se passa nos hospitais públicos, quando vão ser pais e os rechaçam como se portadores do h5n1: levantem a voz, esperneiem e digam de uma vez por todas: "o filho também é meu e quando ele nascer, eu quero lá estar!". ou então calem-se e, de alguma maneira, compensem a ausência do lado da companheira ansiosa, processando o estado português pelo atraso mental político e de procedimentos sociais.

os conservadores - católicos ou não - e as parideiras que advogam o não com cartazes e campanhas sem nexo sabem do que falam, quando mencionam factores como o elevado custo de um aborto ou as dores inerentes ao mesmo e o risco para a saúde da mulher.
outro argumento ridículo é o de que "o aborto será como um negócio", como se os casamentos pela igreja católica o não fossem, ou os funerais, ou uma consulta de fisioterapia ou o ginásio ou o pão ou as fraldas.
a hipocrisia é que devia ser penalizada, no mínimo com olhares de soslaio.
Anonymous Anónimo disse...

qualquer coisa na igreja catolica é um negocio. pensava que ainda agora tinhas lido teoria da religiao...oops, nah, devia era ser historia da religião. sabes que enquanto a igreja mandar aí tá tudo lixado.

24/1/07 22:32  

diz ...