<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6455201\x26blogName\x3dsomatos+\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://somatos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://somatos.blogspot.com/\x26vt\x3d-4926936997051577480', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

fevereiro 02, 2007

ainda estamos a falar de anime: ergo proxy (i)

a aproximação filosófica em anime não é propriamente comum.
mas aconteceu, com ergo proxy.
o que se passa, de relance, é que temos estátuas com nomes de filósofos e, a orquestrar toda a montagem alegórica, temos platão.
o movimento da escuridão para a luz é visível. experimentem ver 1 minuto de cada episódio, sucessivamente e verão que a luminosidade aumenta gradualmente.
assim, temos platão à nossa frente e toda uma encenação complexa da alegoria da caverna.

busca-se a luz, o esclarecimento, o saber intelectualizado. mas mais ainda que o saber, o que ergo proxy pretende é a verdade. e nós também, sobretudo depois da fuga espectacular de vincent law para o exterior de romdeau. salvo os auto-raves infectados, todos estão na escuridão, real mayer, vincent e sobretudo os humanos, prisioneiros na redoma que é a cidade de romdeau. todos presos a emoções, factos ou memórias (e falsas memórias), as percepções. pensam que existem porque pensam, mas na verdade foram fabricados. fabricadas as memórias e programados circuitos neurológicos, que verdade há no sentir, no compreender, no recordar? a quem pertence essa emoção, desse instante?
cogito ergo sum. será real este princípio em ergo proxy?
será que, porque realmente pensam - vincent pensa, real pensa, pino pensa -, existem?
é claro que não: tudo não passa de uma fabricação por parte de uma entidade, um proxy. ou serão já criaturas resultantes de um ambiente controlado e ganharam o direito à existência per se?
proxy - um agente catalisador de uma vontade alheia, uma vontade criadora, é responsável pela existência humana. isso conseguimos perceber, pelo menos a partir do episódio 17, com mais clareza.

temos portanto inteligência artificial e a questão ético-moral é a de sempre: será que a humanidade chegará a um ponto em que se verá ultrapassada, em termos de eficiência e conhecimentos, pela inteligência artificial? e se tal acontecer, não começará essa inteligência artificial a controlar a humanidade? o ser humano ambiciona comandar, não ser comandado; logo, a resposta deve ser imediata e implacável: acabar com a inteligência artifical, encontrando a plausibilidade possível para o seu fim.

mas há mais. ergo proxy - portanto agente. portanto, porque penso e existo, ajo.
é muito complexa a série. demasiado para explicar tudo isto com a coerência desejável.

http://www.ergoproxy.com/

p.s.: se fui maçadora, peço desculpas.

Etiquetas: