<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6455201\x26blogName\x3dsomatos+\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://somatos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://somatos.blogspot.com/\x26vt\x3d-4926936997051577480', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

dezembro 06, 2007

nippon koma

as intenções da culturgest são excelentes. na verdade, indiciam uma realidade estranha em portugal: existe alguém com poderes, num cargo que exige responsabilidade e conhecimentos, e esse alguém trabalha bem.
organizar uma mostra de cinema japonês que atraia público na cidade de lisboa não é difícil, mas quando se selecciona sobretudo anime e documentários, corre-se um risco bizarro, e é por isso que elogio o trabalho e a vontade dessa pessoa influente e culta (não sei quem é, se é uma pessoa colectiva ou não, mas pouco importa).
no entanto, não podia deixar passar algumas falhas nesta mostra.

comecemos pelo folheto informativo da mesma.

i. na página 2 do pdf disponibilizado no site, podemos ler que o filme 5 centímetros por segundo, de shinkai makoto, tem a duração de 87 minutos. ora, é falso. o filme tem exactamente 63 minutos de duração, créditos incluídos. assim está registado no dvd que tenho com o filme e assim informa a wikipédia e o site www.imdb.com;

ii. para meu espanto, e na mesma página, li, pela 1ª vez na vida, fantasma na concha - complexo solitário volume 1. inacreditável, não é? bom, é positivo: a pessoa responsável pela produção do folheto é, certamente, original e divertida;

iii. na página 12 do mesmo folheto, podemos ler, numa espécie de sinopse do melhor filme de animação deste ano, tekkon kinkreet, que esta animação "deixa de lado [os] estereótipos a favor de características mais realistas e europeias", algo que apenas alguém que não viu o filme pode escrever, porque o filme é muito muito asiático e novo-asiático. de ocidental tem a fluidez do movimento - mas a produtora é a sony, eles pagaram para terem lá os melhores a tratar disso! -, os desenhos, os diálogos, a caracterização, a trama, é tudo tão intenso e oriental que esta frase de folheto informativo chega a ser insultuosa.

no primeiro dia da mostra, pude assistir a uma conferência intitulada «anime e documentários japoneses» pela professora hirano kyoko. foi ligeiramente aborrecida, pelo simples facto de já ter lido tudo quanto ela disse no folheto informativo. a única informação nova era de cariz biográfico, sobre os realizadores mais relevantes da história da anime e do cinema documental japonês.
mais importante que isso, foi, aquando das perguntas que o público pôde fazer à professora, a mesma ter admitido não conhecer o trabalho do realizador shinkai makoto. e no entanto, esta investigadora já analisou mais de 800 filmes japoneses realizados entre 1986 e 2004, segundo informação daquele folheto.

por fim, quer-me parecer que esta mostra podia ser mais rica, no que respeita à quantidade de fimes, documentários e anime. a qualidade não esteve em falta aqui.

Etiquetas: