<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6455201\x26blogName\x3dsomatos+\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://somatos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://somatos.blogspot.com/\x26vt\x3d-4926936997051577480', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

setembro 27, 2005

há gente tão idiota que nem dá para acreditar!
então em dias como este, cheios de trabalho, em que uma pessoa dá tudo por tudo para conseguir ter as coisas feitas dentro de prazos razoáveis, mantendo o mesmo rigor que caracteriza o meu trabalho (obrigada à juja e à nelly, foi com elas que aprendi), não há quem consiga aturar merdas!

situação 1
estava no wc de serviço, à espera de vez, quando uma das caixeiras, que se veste como uma puta de baixo nível, me diz: "esse decote chegado fica-te mesmo mal". examino-a de cima a baixo e digo: "não me pareces a pessoa mais indicada para me chamar a atenção."

dúvida: será que ela chegou a perceber o que eu disse? os coeficientes de atenção e de compreensão dela são reputadamente baixos.

situação 2
telefono para o único contacto que uma cliente deixou, para a informar da chegada de uma encomenda. atendeu-me, com um tom agressivo: "olhe, não sei quem é, mas ligue mais tarde, que agora não posso, vou a conduzir". a minha resposta pronta e feia foi: "então p'ra que é que atendeu?"