<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6455201\x26blogName\x3dsomatos+\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://somatos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://somatos.blogspot.com/\x26vt\x3d-4926936997051577480', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

agosto 02, 2005

sabem, eu sabia escrever romances com inícios de arrasar, de fazer o sangue correr mais rápido nas veias, de suster o fôlego a meio caminho de um suspiro, de arrancar empatias sorridentes (avisem se estiver a ser demasiado imodesta, mas não esperem sentimentos de culpa, que isso é coisa erradicada da minha ética).
alguém, um dia, criticou a minha maneira de escrever, dizendo precisamente que os meus inícios cativavam pela ambiguidade e sensualidade com que apresentava os personagens ou o ambiente mas que, no decurso da história, me ia perdendo, ia confundindo discursos, sonhos, ideias, tempos e espaços, como se pretendesse que os meus personagens vivessem experiências até ao limite das suas capacidades.
é possível que, no decurso da minha tentativa de correcção desta falha, eu tenha descurado aqueles inícios espectaculares, procurando uma espécie de equilíbrio para a história, uma harmonia no seu todo, sem partes desiguais.
mas é bem verdade que o meu coração bate mais forte quando começo uma história com um desses inícios.
sei que é um início cheio de possibilidades, um início vencedor, percebem?

fica prometido: o post de amanhã trará um desses inícios da minha juventude (lá vou ter de revolver o baú…). se gostarem, posto o resto da história.