<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6455201\x26blogName\x3dsomatos+\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://somatos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://somatos.blogspot.com/\x26vt\x3d-4926936997051577480', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

julho 31, 2005

... or something in between...

apresento-vos as várias hipóteses de início de romance com que me debato desde há algum tempo nesta minha tarefa de escrever, aquela de que vos falei.
peço a vossa consideração, não peço o vosso carinho; gostaria que votassem e comentassem aquela que preferirem.


hipótese a)

lentamente, acabou de mastigar o pão com manteiga e foi até à cozinha. esquecera o martelo sobre a mesa, depois de ter finalmente consertado o caixilho da janela. tinha de pôr alguma ordem na garagem, já nem sabia onde estavam os sacos com a comida dos cães.
contudo, de cada vez que ali entrava, perdia a vontade de fazer fosse o que fosse.
com um suspiro, colocou o boné na cabeça e decidiu que estava na altura de podar o vinhedo. seria uma boa colheita, bem a calhar.


hipótese b)

o barulho da chuva nas janelas entranhou-se-lhe nos ossos juntamente com o frio. apeteceu-lhe arrancar-se daquela sala, transportar-se para o outro lado do planeta, onde quer que estivesse mais quente.
o soalho de madeira denunciou a aproximação de alguém. a saia rodou, a luz da lareira nela reflectida, quando a rapariga se virou com um sorriso ansioso.


hipótese c)

querida avó,
cheguei ontem a neptuno.
é frio, mais frio do que pensei.
a viagem não demorou nada, as paragens são poucas depois de marte e muito curtas.
promete-me que cuidas da kumiko por mim. ela gosta de festinhas.


hipótese d)

os cães ladravam sem parar junto ao portão, a mulher caída no lado oposto da estrada, muito pálida já, quase desaparecia por entre as ervas daninhas e a chuva intensa que não parava de cair.
um carro passou a alta velocidade mas, apercebendo-se do vulto imóvel junto à árvore, o condutor travou cautelosamente e recuou alguns metros.
Blogger Mónica disse...

Imagino que já saibas que tens uma escrita preciosa.
Eu pessoalmente prefiro a hipótese d)


***

31/7/05 22:50  
Blogger S. disse...

...Ainda havia sangue nas mãos daquela mulher. Tinha morto uma galinha e fora morta por isso.

Olha que não sei... todos eles vão ter a lugares diferentes. :) Quero mais, e logo mais te direi.
Ehehehe

1/8/05 10:43  
Blogger Ardente_Mente disse...

ainda é pouco (dizem que os grandes livros têm frases memoráveis no seu início).
entre elas, b

1/8/05 11:48  
Blogger Patrícia Rocha disse...

Hipótese C.

Bejos.

3/8/05 11:59  

diz ...