<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6455201\x26blogName\x3dsomatos+\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://somatos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://somatos.blogspot.com/\x26vt\x3d-4926936997051577480', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

maio 08, 2005

porto covo, iv

lembro-me de uma toalha de praia com o mickey e a minnie e de me ter secado nela vezes sem conta, durante muitos anos, mesmo quando ela já era manifestamente pequena demais para mim. tenho de andar para diante. a vida é assim, sempre a andar, sempre em frente, qualquer que seja o caminho que se escolha. se eu parar de andar, acabo. e isso eu não admito. o que o eu tenho de fazer é ser feliz. não é só tentar. sê-lo realmente. por fim.
sacudir a areia da toalha gasta, de uma cor que nunca apreciei e comprar uma nova para poder fazer as coisas de maneira diferente, a um outro ritmo. a hora de nenhuma sombra. a hora do nada. saber que tudo vai continuar na mesma. que as pessoas vão ser as mesmas. os sonhos iguais a si mesmos. a disparidade dos pares assusta-me. não quero que o mesmo aconteça comigo. as cores que vi ontem não tenho forçosamente de as ver hoje ou amanhã. mas saber que sim, que as vou ver, entristece-me. abate-me primeiro, torna-se alento no meu peito quando inspiro fundo o azul do mar e o verde do céu que se confundem com os meus sonhos.
e se a vida às vezes parece ser uma escarpa bonita, é ilusão: provavelmente será mais parecida com uma estradita que uns pés criaram junto a um prado de flores de tanto por lá passar, para ir até ao ribeiro que há no fim da estrada. ao fundo, junto as umas sebes de amoras e framboesas. é preciso é desviar aquelas silvas que estão à entrada da estrada, feias e mal-dispostas.
partir. só partir, é o que me apetece fazer. esquecer os outros e ir embora sem nada nas mãos ou nos bolsos. mas quando o faço, quando finjo que o faço, sinto-me estilhaçar. sinto falta de coisas, de pessoas e de algumas palavras estranhas. há muita coisa em mim por explicar. tenho que começar a tomar nota do que aprendo. é em mim que está a explicação.

junho 2003