<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6455201\x26blogName\x3dsomatos+\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://somatos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://somatos.blogspot.com/\x26vt\x3d-4926936997051577480', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

fevereiro 18, 2009

os eleitores e as fraldas para bebés são muito mais descartáveis do que o desejável para a saúde pública e o ambiente, mas ser político em portugal é para toda a vida: garantida a situação financeira estável com a ocasional surpresa agradável fornecida por um amigo de longa data a precisar de um favor.
e não precisam de pensar muito para perceber que os políticos de hoje são os mesmos de há 10 anos e de há 20 anos.
hoje têm poder executivo, há anos atrás assinavam contratos públicos para construções de grande envergadura (leia-se, com derrapagens orçamentais e temporais) com fundos estruturais da união europeia, ou anunciavam lucros exorbitantes nalguma instituição bancária.
alguém confia nestas pessoas? vivemos numa democracia, teimam eles, e esfregam essa ideia nos meios de comunicação, mas será verdade? o descaramento com que os políticos, actualmente, agem, erram e se escusam à responsabilização seria impensável numa verdadeira democracia.
somos nós que lhes damos estas oportunidades.
nós todos, quando votamos, dizemos "agora vai lá e trabalha para tornar este país um bocadinho melhor". mas tudo o que vemos é um grupo de políticos e amiguinhos que, ao longo de anos, vai alargando o sorriso e a barriga que nunca soube o que é miséria.

por isso, temos de parar.
parar mesmo e pensar no que estamos a fazer: se devíamos desligar a televisão, ignorar os ditos
opinion makers (todos eles ganham muito mais que o português médio), ignorar os jornalistas que, apesar de escreverem romances e sorrirem feito tontos, não sabem pronunciar o nome do rio Sabor, ignorar os anúncios publicitários que tentam e desviam a nossa atenção do que é verdadeiramente importante.
é tempo de parar e reflectir no que podemos fazer por nós. pelo país onde vivemos.
parar e reflectir se é tempo de uma nova revolução.
e de que forma cada um de nós pode fazer uma revolução.

de acordo com a lei, as eleições autárquicas são marcadas pelo governo e realizam-se entre 22 de setembro e 14 de outubro; as legislativas são marcadas pelo presidente da república e realizam-se entre 14 de setembro e 14 de outubro; e as europeias são em junho, igualmente marcadas pelo presidente da república.

não se iludam. neste momento, nós não decidimos nada.
só a acção pode conduzir a novos processos, novas políticas, novas vidas.