<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6455201\x26blogName\x3dsomatos+\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://somatos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://somatos.blogspot.com/\x26vt\x3d-4926936997051577480', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

setembro 23, 2007

era uma vez um idiota

sentou-se em cima de uma caixa que tinha livros no interior, mas sentou-se mesmo em cima dos livros.
ao ver aquela falta de respeito, interrompi a conversa do fulano com o seu compincha:
- peço desculpa por interromper... queria pedir-lhe que não se sentasse em cima dos livros.

normalmente a reacção das pessoas é "oh, peço desculpa" e corar ou ficar embaraçadas. este começou a mandar vir.
- eu até sou cliente aqui e tudo, até posso sentar-me em cima dos livros se eu quiser.

espera lá, miúda, que este não podes deixar escapar, o aspirante a metrosexual eventualmente yuppiezeco dentro de 5 anos a tentar mostrar ao mundo que tem atitude.
- as pessoas educadas pediriam desculpas por estar sentadas em cima de algo que, não sendo próprio para pousar nádegas, nem sequer lhes pertence. ao não pedires sequer desculpas, mostras logo aí a tua falta de educação. mas vais muito além da falta de educação quando falas com essa arrogância toda. primeiro, porque os livros que estão nesta loja são nossa propriedade, nossa, não tua. não enquanto não pagares pela sua posse. logo, estás a causar dano em propriedade alheia, acto, desde logo, punível por lei.

o gajo levanta-se, ajeita o casaco cheio de estilo e, com um sorriso matreiro para o amigo e um nariz empinado para mim, sai-se com:
- também não faço ideia de quem é que vem trabalhar para esta espelunca... concerteza não é gente com muita educação!

propositadamente, olhei-o com surpresa e ingenuidade:
- peço desculpa, não percebi que tinhamos mudado de assunto sem termos concluído o raciocínio anterior. pensei que estivesse a falar com um adulto. provavelmente será preferível chamar uns seguranças para o ajudarem a compreender o que pretendo dizer.

pediu desculpas e foi-se.
besta.