<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6455201\x26blogName\x3dsomatos+\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://somatos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://somatos.blogspot.com/\x26vt\x3d-4926936997051577480', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

julho 10, 2006

sabem quando o pânico vos enche o peito e os braços estremecem e, na verdade, toda a vossa carne sente medo, puro medo, mas nem sabe o que é o medo?
às vezes, isto acontece sem razão, sem motivo, sem origem real.
outras, existe uma acção ou uma pessoa que despoleta todo um mecanismo.
de auto-defesa?
não sei se será... sim, talvez seja. escondermo-nos atrás do medo porque o que não conhecemos é fonte de perigos inimagináveis ou pior ainda, altamente imagináveis, e, nesse caso, a infinitude de possibilidades pode ser do mais claustrofóbico.
penso que hoje em dia, vivemos todos num medo profundo e indenunciável.
tácito. sorrateiro. mesquinho.
cultivamos este medo todos os dias, um pouco mais carinhosamente. com laivos de masoquismo.

mas por que motivo receamos dar um passo em frente? só um às vezes é o bastante.
e por que razão andamos com os olhos no chão? será fruto de alguma atracção pelas sujidade e pelas secrecções inomináveis das ruas de todos os dias?
quero ir até ao fim.
vou arriscar. e vou sonhar, como sempre sonhei, com a possibilidade de tudo em mente.
isso!