<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6455201\x26blogName\x3dsomatos+\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://somatos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://somatos.blogspot.com/\x26vt\x3d-4926936997051577480', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

junho 25, 2006

declaração

por ter começado a olhar para a minha vida de uma outra perspectiva, e ter passado a aceitar as pessoas tal e qual elas são e, dessa forma, ter descoberto beleza inesperada, deixei de ter motivos ou desculpas para usar o somatos como caderno de desabafos que, embora estilistíca e literariamente interessantes, não eram propriamente reflexo de uma realidade feliz.
dito isto, tenho de apresentar as minhas desculpas a quem aqui vem desde o início e que, como eu própria também me apercebi, se deu conta da progressiva ausência de trechos literários apetecíveis.
continuo a escrever, a sério, mas recorrer ao blog como o fazia antes, despejando aqui todos os pensamentos - mesmo os mais irracionais e os de léxico sofisticado que apenas pretendia provar qualquer coisa que deixou de ter validade - é algo que não pretendo voltar a repetir.
assim, o somatos vai continuar a sua pacata existência, num percurso em direcção à insignificância virtual, já que a verdadeira vida é do lado de fora e essa está constantemente em mudança.
o facto de não partilhar aqui ideias ou sonhos, não implica que os não tenha.
Anonymous garfanho disse...

:) excelente frase, a última.

26/6/06 12:29  
Blogger JPN disse...

vim aqui há muito tempo e descobri um lugar de escrita forte. depois deixei de cá vir. no outro dia alguém me chamou a atenção para este blogue e retomei o link. foi delicioso, aprendi a fazer puré de batata doce. agora leio este post e não percebo nada...a vida cá dentro, a vida lá fora, a vida verdadeira é lá fora...não, não quero mesmo perceber. lembro-me do spot, vá para fora, cá dentro. boa sorte.

30/6/06 03:41  
Blogger cassandra disse...

quando digo que a vida é do lado de fora, quero dizer que ela acontece fora do meu corpo, fora da minha cabeça, na interacção com outras pessoas. quantas mais melhor e se for com um sorriso, imaginem só que vida porreira pode ser!

3/7/06 19:52  
Blogger JPN disse...

eu percebi. mas mesmo assim não compreendo porque é que a vida que passamos em interacção real com outras pessoas é mais verdadeira que a interacção virtual. sempre entendi a interacção virtual, tal como a real, como uma forma de me aperfeiçoar enquanto pessoa o que me daria para interagir melhor, aqui, ou na real. mas admito, são modos diferentes de ver as coisas. boa sorte. gosto muito deste blogue.

8/7/06 01:01  
Blogger cassandra disse...

:))

10/7/06 20:05  

diz ...