<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6455201\x26blogName\x3dsomatos+\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://somatos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://somatos.blogspot.com/\x26vt\x3d-4926936997051577480', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

março 02, 2005

pesadelo sem nome - alucinação #02/0305

uma figura feminina sentada numa cadeira de baloiço, muito velha já, com teias de aranha debaixo do assento, embalava um bebé adormecido, ao som de uma cantiga doce, amorosa, o rosto delicada e quasi eroticamente roçando o do menino.
vindo do nada, de um céu azul e limpo, um trovão calou os pássaros de primavera e um relâmpago seráfico escureceu o dia; durou um instante apenas, instante durante o qual a mulher estremeceu e cingiu mais e amorosamente o seu filho.
lentamente, como num pesadelo ou num filme antigo e a preto e branco, desviou o olhar do céu para o bebé e, descobrindo-o morto, sorriu na demência naturalmente esperada de mãe.
o poço mais fundo da aldeia estava a poucos metros de distância.