<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6455201\x26blogName\x3dsomatos+\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://somatos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://somatos.blogspot.com/\x26vt\x3d-4926936997051577480', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

fevereiro 11, 2005

eu já vos falei da teoria da reciprocidade do prazer?
sorriso à la giocconda
Blogger Amaral disse...

A reciprocidade do prazer tem uma teoria?
Eu penso que o prazer é recíproco a todos os níveis, quando ele é genuíno. Só que nem sempre a reciprocidade se manifesta. Tomando como certa a ideia de que nada existe no mundo "sem vida", o prazer que me dá a contemplação de determinado ponto da natureza proporciona uma reciprocidade natural, mesmo que a outro nível?...

11/2/05 13:14  
Blogger Ardente_Mente disse...

há sempre um tempo (in)certo para começar
;))

11/2/05 13:40  
Blogger zibl disse...

Minha teoria geral da reciprocidade do prazer (acepção genéria):
a) nas condições adequadas de consciência, o prazer é por natureza recíproco, produzi-lo é tão (ou mais) gratificante que recebê-lo;
corolário: em condições ainda mais apuradas (e metafóricamente falando), "transforma-se o amador na coisa amada"...
b) o prazer obtido por alguém da interação com o meio, nas condições adequadas, deverá produzir uma acção positiva sobre esse meio; logo, ser recíproco...

11/2/05 14:31  
Blogger Luis Serpa disse...

E quando, finalmente, surgiu a sombra de uma infíma possibilidade de desacordo, ele não a deixou escapar. E que diz a lei da reciprocidade do prazer? Que ela (reciprocidade) não existe? Que é uma miragem para pré-punks, post-modernos e românticos descarrilados nos rails do tempo? Que não há acto mais egoísta que o do amor? E que bom é que assim seja, porque dou ao outro corpo mais prazer se nele procurar só o meu?

Haverá, nesta como noutras matérias, uma contradição ente a teoria e a praxis? Não sei. Não conheço a lei da reciprocidade do amor. Não conheço leis nenhumas, de resto, nas áreas sobrepostas do prazer e do amor. Sei apenas que não é um jogo de soma nula: é um jogo de soma múltipla, a cada vez renovada.

PS: Obrigado.

PS2: O Somatos é um dos blogs mais estimulantes que conheço. Devo agradecer-te as inúmeras divagações que ocasionaste a partir do que escreves.

11/2/05 18:29  
Blogger Angela disse...

A reciprocidade do prazer é encontrar (mero acaso) o somatos e linká-lo, para poder voltar/recíprocamente.

11/2/05 18:53  
Blogger Max Hughes disse...

A reciprocidade do prazer é um caso particular do gozo. O prazer dos pés na água estende-se até à testa, aos olhos. Gerar prazer? Recebê-lo?

Transformar-se o amador na coisa amada chama-se CURTO-CIRCUITO. Por virtude do muito imaginar. Não é a fusão de dois ácidos, como na proposta surrealista.

Queres? Eu quero. Queres-me? Eu quero-te.

A tua pele é minha, a tua pele é a minha.

Se fechas os olhos, vê-se melhor. Se os abres, melhor ainda.

11/2/05 21:20  

diz ...