<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6455201\x26blogName\x3dsomatos+\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://somatos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://somatos.blogspot.com/\x26vt\x3d-4926936997051577480', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

setembro 15, 2011



paul berman, the flight of the intellectuals: the controversy over islamism and the press
(rev.ed., melville house publishing, 2011)

uma leitura terrivelmente boa. berman expõe influências e poderes entre o radicalismo islamista e o fascismo (e nazismo) que se estenderam no tempo até aos nossos dias de forma quase imperceptível. apresenta factos e ligações com clareza e frontalidade, sobretudo acerca do islamismo e do Islão, levando-nos a questionar o que realmente sabemos nós - filtrado pelos media globalizados/globalizadores - sobre aquela cultura e como chegámos ao ponto de, nalguns países da europa, o medo do terror nos tolher as acções e, sobretudo, a capacidade de denúncia de violação de direitos fundamentais como a liberdade de expressão.
fala ainda do advento da mudança de paradigma intelectual na Europa, em que defender ditaduras que apoiam causas violentas e terroristas começa a ser a norma.
uma norma que berman questiona e nos deixa a nós encarregues de criticar, através do raciocínio lógico e iluminado: por que razão precisamos de reviver momentos obscurantistas da nossa história e como ainda podemos evitar esse caminho?

sim, é uma leitura terrível e fantasmagórica.
actualíssima e fundamental.