<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6455201\x26blogName\x3dsomatos+\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://somatos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://somatos.blogspot.com/\x26vt\x3d-4926936997051577480', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

abril 15, 2010

felicitas superba est

merecidas férias. e foi minha opção encurtá-las.
sei lá, coisas de mulher urbana e complicada q.b., mas com um desejo imenso de o não ser.
a viagem para lisboa foi angustiante para mim, como se caminhasse em direcção a um destino escuro e denso: o que sei é que o ar em lisboa não é nada bom. e não me consigo mexer. e não percebo como tanta gente consegue mexer-se e viver e respirar aqui. se calhar, só fingem que vivem, como disse o meu melhor amigo. respiram o que podem, como podem, e pensam que têm qualquer coisa semelhante a uma vida, mas onde está a satisfação? satisfeitos com o trabalho? com a família? com os colegas? com o governo? com o tempo? serão os habitantes de uma cidade como lisboa sinceros na sua felicidade aparente?

lá no campo, no interior de portugal, não há tensão na ponta dos dedos, os músculos relaxam, e o importante é acordar cedo para aproveitar o sol. e a chuva, quando cai, é só chuva, não chega a ser uma maldição. e o governo está muito muito longe. e as notícias não importam, são só sobre gente que não tem nada a ver com a realidade, nem sequer são notícias a sério.
lá no campo, o que se ouve é passaros e ribeiras, e amores-perfeitos, papoilas, margaridas brincam com o nosso olhar. o céu estrelado da noite emociona-nos, como se voltássemos à infância. o ar fresco carrega o sol e o cheiro de dezenas de árvores e arbustos.
e sentimo-nos pequenos, despertos e simples. sorrimos sem precisar de porquê.

parabéns a quem já percebeu que é preciso olhar para nova opções de vida e que tomou a decisão de lutar por elas. é preciso coragem e determinação e eu pretendo fazer o mesmo.

parabéns a mim, faz agora 32 anos que nascia num corredor na alfredo da costa.