<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6455201\x26blogName\x3dsomatos+\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://somatos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://somatos.blogspot.com/\x26vt\x3d-4926936997051577480', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

maio 21, 2007

vamos falar de anime: bakumatsu kikansetsu irohanihoheto ii

esta foi a melhor série do inverno passado, a única que realmente me prendeu a atenção, uma animação com contexto histórico, e cujo lançamento no japão foi muito discreto.

mas este contexto histórico em breve se revela exigente (a ponto de alguns fãs da série andarem constantemente a ir à wiki verificar nomes de personagens e batalhas). portanto discreto, sim, até um certo ponto - a partir do momento em que começou a ser falado nos múltiplos sites sobre anime japonesa, o «discreto» foi ao ar.

até porque, ao longo do primeiro episódio, percebemos que a teatralidade do cenário e dos personagens é tanta que a série não continuaria despercebida por muito mais tempo.














teve o seu melhor período entre os episódios 1 e 13, é verdade, e senti alguma desorientação no argumento depois disso, como se quisessem puxar diversos fios que ligariam a pontos diversos e inconvergentes num mapa abstracto. todos os personagens têm um valor imenso, sobretudo os secundários cuja presença abrilhantaram a série: tayu, o médico, o ajudante de hijikata, o grupo de 4 guerreiros de elite ingleses e mesmo o arrogante nakaya jubei. hijikata e a sua evolução, representada pela viagem para norte, para um fim infeliz mas honrado, é mesmo sublime. e o contraponto apresentado por kanna, face a youjirou, é também ele muito bem elaborado e rico em pormenores, como a referência constante à mãe, e à cena passada, em que a mãe segue viagem para longe dele e uma pedra do caminho trilhado pela carruagem da mãe o atinge no rosto, directamente num olho, ferindo-o com gravidade. esta insistência num determinado momento da vida é reveladora da mudança gradual que se vai operando em kanna, desde a compostura lúcida dos primeiros episódios ao desvario final.














tenho a certeza de que kanna e kakunojo têm a mesma mãe, e que, quase de certeza, ela e youjirou partilharam algumas brincadeiras de infância. ficam por responder muitas perguntas, sobretudo sobre ibaragi sousetsu: quem é, porque razão o tratam, ao longo da série, com tanta deferência, e como pôde ele escrever as peças que a trupe levou à cena? dez anos. ele deveria ter cerca de dez anos quando a mãe o abandonou. como a canção que kakunojo entoa aqui e ali.

o sensei ibaragi sousetsu é realmente um vilão inacreditável, cheio de recursos e conhecimentos prévios e estranhos. obviamente, fica por explicar a sua origem assim como a origem do seu conhecimento, mas percebemos que ele não pode ser completamente maléfico porque tayu, a gueixa que, sucessivamente, segue a trupe e os seus espectáculos, fá-lo apenas porque a peça é escrita por aquele a quem ela refere sempre como sensei.

se inicialmente é uma anime muito contextualizada, em termos histórico-sociais, depressa resvala para o campo do surreal, com kakunojo a vestir a pele de joana d'arc, convocando à insurgência do povo por uma causa desesperada.

em termos técnicos, a produção tem critérios muito elevados e tanto a arte (desenho) como a animação estão bem acima do padrão habitual de animação para tv (mesmo que japonesa). os cenários são muito bons e harmonizam-se sempre com a acção e os personagens são fluidos e cheios de realismo. como se isso não bastasse, a banda sonora é simplesmente esmagadora: é só ouvir com umas colunas fixes e verão! é tudo muito bem orquestrado, desde a introdução ao tema final, passando pelas músicas de ligação, para nos transmitir a ambiência. resumindo: o núcleo da história é, na verdade, muito ingénuo e simples, sem grandes surpresas no decorrer da acção mas aquelas histórias secundárias, que nos vão apresentando os muitos personagens da série é que a tornam preciosa.

Etiquetas:

Blogger sLx disse...

Esta série passou na TV ou viste via DVDs/DivXs?

Infelizmente não conheço muita anime, mas das que vi gosto especialmente do Ghost in the Shell e do Evangelion.

13/6/07 12:06  
Blogger cassandra disse...

passou num canal de tv gratuito, no japão.

16/6/07 18:48  

diz ...