<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6455201\x26blogName\x3dsomatos+\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://somatos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://somatos.blogspot.com/\x26vt\x3d-4926936997051577480', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

maio 19, 2007

hoje quero mesmo falar de anime: bakumatsu kikansetsu irohanihoheto i

alguns apontamentos iniciais

bakumatsu (幕末) - período (em japonês: kikansetsu) tardio da era tokugawa, a partir da abertura do japão ao comércio externo em 1853 e a restauração meiji em 1867 - este é o período mais agitado mas também o mais bem documentado da história nipónica, já que foi durante o bakumatsu que os últimos samurais viveram e lutaram pela sobrevivência tomando parte em batalhas contra e pró-império.

irohanihoheto (いろはにほへと) - primeira linha de um poema japonês (terá sido escrito pela primeira vez durante a era heian, entre e 794 e 1179) que é um perfeito pangrama, contendo cada carácter do silabário japonês exactamente uma vez, e, por esse motivo, é usado no primeiro ano de escola, como mnemónica para as crianças aprenderem o silabário.

o poema, em hiragana, tem este aspecto:

いろはにほへと
ちりぬるを
わかよたれそ
つねならむ
うゐのおくやま
けふこえて
あさきゆめみし
ゑひもせす

(transliteração)

i ro ha ni ho he to
chi ri nu ru wo
wa ka yo ta re so
tsu ne na ra mu
u wi no o ku ya ma
ke fu ko e te
a sa ki yu me mi shi
we hi mo se su

a leitura deve ser fluida, qualquer coisa como isto:

iro wa nioedo
chirinuru o
wa ga yo tare zo
tsune naran
ui no okuyama
kyō koete
asaki yume miji
ei mo sezu

uma possível tradução, livre e poética (da minha autoria), seria:

as flores que brilham hoje caem um dia,
nada existe para sempre.
hoje atravessaro as profundezas da montanha da vida,
sonhos fúteis não me alimentam nem me embriagam.

na anime em questão, este poema é sempre cantado, com doçura, pela mesma personagem, yuyama kakunojo, uma jovem actriz. quase sempre está rodeada de crianças ou a ambiência que se sente é nostálgica da infância. surgem imagens que surgerem uma relação pré-existente ou pre-destinada entre kakunojo e youjirou (personagem principal).

investiguei, claro, e descobri que, na verdade, este poema pode ser interpretado de diversas maneiras, consoante a diferente pontuação que se lhe aplique. assim, e incluindo as referências a números ordinais que kakunojo faz no início de cada estrofe, o poema poderá ser lido da seguinte forma:

um - oferece uma oração ao sol que se põe
dois - a primavera da noite num templo de oferendas
três - quando o céu magnífico acorda
quatro - com uma criança que chora na noite
cinco - até quando me seguirás?
seis - à minha mãe que não me veio buscar
sete - palavras amargas em segredo
oito - antes que a velha da montanha apareça
nove - atravessa a montanha e deixa a criança para trás
dez - aos dez, deixei de ser teu filho

Etiquetas: